Páginas

quarta-feira

I nerver thought

 Eu sempre pensei que a minha mania de pensar e escrever, mas nunca falar, em dois idiomas era uma coisa... sei lá, normal para pessoas estranhas (diferentes se preferir) como eu.
 Mas não. Hoje, em uma madrugada de 4 de Julho, eu descobri o porquê.

"How can you be so fuckin selfish? I wonder....no. I know...you're just like every other human...Pensei que era diferente."
 Foi me dito anos atrás.
 E assim, como tudo aquilo que acontece durante nossa formação de caráter, isso tornou-se um traço meu.
The universe can be a motherfucker sometimes.

sábado

Eu tenho medo da internet.

 Don`t get me wrong. Eu não sei viver sem internet!
(Apesar de desejar um dia morar longe de tudo e todos, eu não me vejo sem internet lá.)
 E não pelo fato de eu ser um usuário assíduo de redes sociais, deste mal eu já me livrei...
 Mas essa não é a questão aqui.
(Nunca me senti tão incomodado por usar tantos "não" em um texto. E logo em seu inicio...)

 Eu tenho medo do seu desconhecido poder, que pode ou não afetar você ou mesmo, neste exato momento vigiar, cuidar, espiar ou ainda pior... ela pode descobrir você.
 As vezes eu penso sobre esse fato, que apesar de alguns saberem como manipular as ferramentas da internet ao seu favor, existe o fator da imprevisibilidade.
 Assim como na vida real.

 Pois assim que você "passa" por aquela porta que te conecta com o mundo digital, você é só mais um assim como na vida real.
 Mas diferente da vida real, o que você faz na internet não se apaga tão facilmente assim com o tempo.
 As coisas ficam ali registradas como se em uma cápsula do tempo armazenada sabe-se lá onde.
 Claro que cada vez mais afogada nesta multidão de informação.

 Houve um tempo sem internet em que...
... eu escrevia poemas, mas eu sabia quem os lia.
... eu desenha, mas eu sei quem os levou quando os presentei.
... eu tirava fotos, mas eu sabia quem as via.
 I mean, claro que palavras podem ser reescritas, desenhos representeados (mas provavelmente descartados) e fotos duplicadas.

Você não sabe o quão a internet sabe sobre você até que ela te descobre...
Just like in real life.

segunda-feira

I came here thinking about write something.
But now that i`m here, i really dont know if i should do it.

Because anything i write here will looks like... [deleted].

But this is my blog after all and i write here whenever i feel in need... maybe not always, but u know what i mean.

It`s funny, u know? i come here more as a visitor than the writer.
Everytime i think in writing something, in do something... always feels like i cant do it.
Always: "What u gonna do? Turn this into ur personal diary?"
And always: "No!"

Now that i`m thinking about, i always thought the voices have gone silence. But actually i have been able to hear just two of then...

Well, idk what i`m doing in here anymore... writing in english.
Just yesterday i was here correcting old phrases in english from this same blog!

"Oh dont apologize for your bad english, just say your english is rust instead."
Fuck this man.

Mas sim.. eu estava falando, que agora que aqui estou, escrever não parece tão difícil assim quanto sempre pensei.
Que... talvez, para aquele bloqueio mental acabar você só precisa tentar escrever.

But, yeah! I dont like doing this in portuguese... idk why. The post began in english so lets finish in english. Right?

quarta-feira

"Oh meu deus! O que eu estou fazendo?"

Ela disse.
Neko ringu
'Essa é uma pergunta que você vai se fazer pelo resto da vida!'

Eu gostaria de ter dito a ela.

Ah cara, sim,
eu gostaria de ter dito a ela!

Eu queria e senti uma vontade
de abraça-la forte contra meu peito.
Deixar sua cabeça descansar em meu ombro,
enquanto acaricia os seus cabelos cacheados.

Eu queria que por um momento que fosse, por mais rápido que fosse, 
fazer com que ela se sentisse protegida e compreendida.

quinta-feira

Hey amiga

Você não deve saber, ou deve...

A nossa vida passa, assim como as pessoas, as mágoas e os amores... enfim.
E tudo isso é uma questão das escolhas que fazemos para nós mesmos, para nossas vidas.
E como, eu já disse e ainda postarei:

'A vida é pequena por demais, para vivermos... ou melhor,
para deixarmos de viver certas coisas, de ter certas conversas, com certas pessoas.
De ter aquilo que gostamos junto de nós.'
Mas de toda e qualquer forma quero que saiba!

Eu fiz certas escolhas que julgava serem as certas.
E continuo fazendo-as.

Eu perdoei ou abri mão dos meus 'nunca mais'.
Para ter de volta coisas das quais eu sentia falta.
Mas, eu estaria mentindo se dissesse que esqueci tudo.
Mas ainda assim...

Eu nunca disse adeus...
ou ao menos escutei um.

Ultimamente...

Existe uma única coisa capaz de fazer eu me emocionar.
Ao ponto de ficar com os olhos lacrimejados,
mas não mais que isso.
Um desenho idiota e infantil para muitos,
que na realidade é um anime.

E sendo quem sou hoje,
não tenho vergonha de deixar uma lágrima...
escorrer por causa de um anime idiota e infantil.

E sim.
Existem muitas coisas pelas quais deveríamos chorar todos os dias.
Mas destas coisas, eu tenho... não vergonha, asca seria a palavra!